sexta-feira, 27 de novembro de 2009

O pecado de Moisés e Arão

1ª Parte


2ª Parte


3ª Parte

Quadrinhos: janela para uma sexualidade distorcida

Maurício de Souza chega aos cinquenta anos de carreira disposto a renovar seu público. Prova inequívoca disso é a empreitada da Turma da Mônica Jovem, adaptação ao estilo mangá de suas criações mais conhecidas. Mas, a exemplo dos quadrinistas americanos, o maior nome das HQs tupiniquins está de olho em outro nicho: o público GLS.

A iniciativa está agregada ao contexto das histórias da Tina, reformuladas e voltadas atualmente para o público jovem adulto. Na 6ª edição da nova revista, surge um novo componente na trama, um rapaz conhecido como Caio, já definido como melhor amigo da Tina. Apesar do ciúme do namorado da moça, Tina e Caio se apressam em explicar que não têm nada, fora a amizade. Caio afirma até ser comprometido e aponta para outro rapaz! A história é maliciosamente intitulada "O triângulo da confusão". A notícia foi veiculada no G1.[1]

Recentemente, a Batwoman (distinta da Batgirl), outra personagem tradicional que entrou de vez no mundo GLS, foi definida como uma socialite que namora uma ex-policial.[2] A tendência aponta para o surgimento de novos personagens gays, tanto nos quadrinhos como nas telonas. Porém, como tudo isso começou?

Dos anos 1980 para cá, a sensualidade passou a desfilar nas histórias de super-heróis de forma aberta, a seguir desembocando em um erotismo bizarro, visível desde as roupas coladas que revelam as formas físicas das heroínas, até situações de coerção sexual, envolvimento erótico ou linguagem obscena. Em Watchmen (que voltou ao estrelato graças ao filme recente), por exemplo, não faltam referências a conflitos sexuais e constrangedores, como o momento em que o Comediante mata a sangue frio uma vietnamita que o feriu, ao vê-lo recusar-se a assumir o filho deles; ou a declaração de que o envolvimento do Dr. Manhattam com a jovem Spectral se deu quando a moça era adolescente, cabendo a acusação de pedofilia, feita dentro da trama por Janey Slater, ex-namorada de Manhattam.

Evidentemente, a década de 1990 viu uma exacerbação da sensualidade, principalmente promovida pela companhia Image Comics, fundada por artistas que fizeram fama nas gigantes Marvel e DC Comics - as quais, por sua vez, seguiram o "fluxo", promovendo uma considerável redução dos uniformes de suas heroínas. Um exemplo é a versão "turbinada" da Mulher-Maravilha, desenhada pelo brasileiro Mike Deodato Jr. O mesmo Deodato desenhou Glory (Image) e Elektra (Marvel).

Sendo que a distorção da sexualidade ganhou tanto espaço nos quadrinhos, não era de se estranhar que comportamentos sexuais não-convencionais figurassem nas suas páginas cobertas por nanquim. O que pode ser pior do ponto de vista da moralidade? É verdade que quadrinhos eróticos, como Valentina e Druuna, tiveram alcance sobre alguns leitores. De pior qualidade, apenas As Meninas Perdidas, criação de Alan Moore (o mesmo que idealizou os Watchmen), obra que defende toda e qualquer expressão sexual, inclusive a pedofilia e o sexo bestial (entre homens e animais).[3]

Nenhuma dessas obras, porém, teve alcance tão grande como as novas produções, que igualmente postulam a depravação moral, direta ou indiretamente. O acesso a esse material contamina a imaginação dos jovens e os acostuma ao prazer barato, em que o estímulo visual incentiva a pornografia, desconfigurando a beleza e complexidade do relacionamento sexual, por natureza entendido como ocorrendo entre gêneros complementares, ou, mais explicitamente, um homem e uma mulher. E ainda acham que os quadrinhos são inocente diversão para crianças...

Douglas Reis

[1] "'Interpretação depende do leitor', diz Mauricio de Sousa sobre personagem gay"

[2] Douglas Reis, "Santa Cássia Eller, Batman!"

[3] Omelete: entrevista com Alan Moore, disponível em (parte 1) e (parte 2).

Questão de Confiança

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

A batalha pela mente - 4ª Parte

3. Refinados

“Para o pão, não é a melhor a farinha branca, superfina. Seu uso nem é saudável nem econômico. A farinha branca, fina, carece de elementos nutritivos que se encontram no pão feito do trigo integral. É causa freqüente de prisão de ventre e outras condições insalubres.” – A Ciência do Bom Viver, pág. 300

“O pão de farinha branca não pode comunicar ao organismo a nutrição que se encontra no pão integral. O uso comum do pão de farinha beneficiada, não pode manter o organismo em condições saudáveis.” – Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 320

Arroz polido

Durante a II Guerra Mundial, a Singapura não pôde importar arroz. Nessa época, a mortalidade infantil chegava a 420/1.000. O governo decretou que só se comercializasse arroz integral, não importando a qualidade. Resultado: em um ano a mortalidade diminuiu para 80/1.000.

“Ao toque de uma pena, centenas de milhares de vidas foram salvas.” – Dr. Pincton em Sugar Blues, de Willian Duffy (Editora Ground), 1975.

Perdas no refino do arroz

77% de Vitamina B1
60% de Cálcio
70% de Fósforo
75% de Ferro

Fibras

Uma dieta com elementos fibrosos (cereais integrais, verduras, etc.) promove a função normal do intestino grosso. Os refinados, ao causarem fermentação e insalubridade no organismo, trazem mal-estar para o aparelho digestório e, como conseqüência, o cérebro é afetado.

Lembre-se: “Com a mente servimos ao Senhor.” – Temperança, pág. 14

Resultados

1. Problemas cardíacos
2. Indústria odontológica multibilionária
3. Indústria multimilionária de vitaminas
4. Uso de laxativos
5. Problemas de obesidade

Continua...

A batalha pela mente - 1ª Parte
A batalha pela mente - 2ª Parte
A batalha pela mente - 3ª Parte

Desmontando a fraude do aquecimento

Enquanto os burocratas da ONU esfregam as mãos pensando no avanço da agenda socialista em Copenhague, um pacote revelador sobre a farsa do aquecimento global é tornado público pelas mãos de um hacker que, a meu ver, já faz parte da liga dos heróis anônimos da humanidade.

Ele entrou nos computadores da Unidade de Pesquisa Climática da Universidade de East Anglia, o maior centro de pesquisa sobre aquecimento global da Inglaterra, e coletou 61 megabites de documentos - planilhas, e-mails trocados por cientistas, PDFs, etc. - cuja autenticidade foi confirmada pelo diretor da unidade, Phillip Jones.

O que o hacker (ou, talvez, funcionário do laboratório) encontrou e jogou na internet é extremamente revelador. A máfia é grande. Atenção, fiéis da nova religião. Os documentos mostram:

Conspiração, conluio para exagerar dados sobre o aquecimento, destruição de informação embaraçosa, resistência organizada à revelação dos dados comprometedores, manipulação de dados e confissões em privado de erros em declarações públicas.

Os e-mails foram trocados por cientistas conceituados, desses que avisam dia e noite que os mares vão subir três metros, que a humanidade tem que se oferecer em sacrifício à cúpula globalista da ONU, que devemos renunciar ao capitalismo e à democracia, que o mundo tem hora marcada para acabar. Só o Al Gore pode nos salvar!

O conteúdo dos documentos vazados já está sendo classificado como o maior escândalo da ciência moderna. Que coisa linda. Agradeçam ao hacker herói. De qualquer forma, a operação Copenhague segue firme. A pregação histérica e mentirosa na imprensa, fabricada nos escritórios da ONU, só vai aumentar. Observem.

Mais informações:

The Times:

Sceptics publish climate e-mails 'stolen from East Anglia University'

Telegraph:

Climategate: the final nail in the coffin of 'Anthropogenic Global Warming'?
Climategate: how the MSM reported the greatest scandal in modern science

Fox News:

Climate Skeptics See 'Smoking Gun' in Researchers' Leaked E-Mails

Pajamas Media:

Global WarmingGate: What Does It Mean?

"O planeta está esfriando!"

Aproveito para recomendar a entrevista dada pelo professor José Carlos Parente de Oliveira deu ao jornal Diário do Nordeste de 15 de novembro. Ele é Doutor em Física com Pós-doutorado em Física da Atmosfera e ensina na Universidade Federal do Ceará (UFC). Trechos:

"DN - Por que o senhor caminha na contramão do ambientalmente correto e proclama que o planeta não está aquecendo, mas esfriando?

A busca da verdade deve ser o norte, o foco da atividade em ciências. E penso que não é isso o que ocorre com o tema aquecimento global. A sociedade está sendo bombardeada por notícias, reportagens na tevê, filmes e tudo isso com a mensagem de que as atividades humanas relacionadas às queimas de combustível fóssil (petróleo, carvão e gás) são as culpadas pelo aquecimento da Terra. O grande responsável por esse bombardeio é o Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas (IPCC na sigla em inglês), que é um órgão da ONU.

DN - Então, em vez de estar aquecendo, a Terra está esfriando agora? Mas isso é o contrário do que proclamam as ONGs, os cientistas, os jornais. Quem está errado?

No ano de 1998, houve um fenômeno atípico: um super El Niño aqueceu a terra quase um grau acima da média em que ela se encontrava. Desde esse fenômeno do El Niño, a temperatura da Terra, sistematicamente, vem diminuindo, conforme os dados coligidos pelos satélites. Esses dados, porém, não são aceitos e nem utilizados pelo IPCC nos seus documentos".

Fonte: Mídia Sem Máscara

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Altar de Hollywood

Igreja e cinema. O que eles têm em comum? A resposta pode ajudá-lo a tomar uma decisão
É comprovado que o ser humano sempre teve necessidade de adorar alguma coisa em algum lugar. Pode-se ver isso em todas as culturas, em todos os lugares, até nos dias atuais. Do ponto de vista espiritual e escatológico, é interessante que o cinema surgiu no século 19, praticamente na mesma época que o movimento adventista. Quando foram feitos os primeiros filmes, as sessões eram realizadas nos mesmos horários de cultos e missas, aproveitando o tempo disponível das pessoas e o “ritual” que já era feito nesse tipo de deslocamento.

Para ir ao cinema, deve haver, obviamente, um deslocamento chamado pela psicologia de “representação dirigista”, ou seja, pessoas que não se conhecem se orientam em uma mesma direção, com o mesmo objetivo. Dessa forma, o indivíduo se sente sociável, representando a crença de que, para conseguir algo, deve-se sair de casa, e de que coisas importantes se fazem em locais especiais.

Pela Psicologia da Comunicação, o estudo da Semiótica, sabe-se que a pessoa que vai ao cinema está indo literalmente a um templo – é um ritual religioso em sua essência, sendo, então, o preenchimento da necessidade básica de adoração. O cristão que vai ao cinema possivelmente começará a perder a vontade de se deslocar até sua igreja. Há uma competição entre as duas “igrejas”. A necessidade que Deus colocou no ser humano – de adorá-Lo – será preenchida pelo ritual de ir ao cinema, um caminho, digamos assim, mais “atraente”.

Existe ainda outro vínculo com a religião. Quem não ouviu falar em termos como “astros”, “deuses” e “ídolos” do cinema? Geralmente, quando se comenta sobre determinado filme, surge uma frase como: “Você já viu o novo filme do Fulano?”, vinculando a produção não ao título, mas sim ao “ídolo”. Muitas vezes as pessoas vão ao cinema por causa do “ídolo” e acabam por seguir seu estilo de vida.

NO ESCURINHO DO CINEMA

Assistir a um filme no cinema também exige preparo. Som, imagem, escuridão... Tudo projetado para causar mais impacto. A psicologia chama isso de “suspensão da realidade” (ou da “credibilidade”). A pessoa, ao entrar no cinema (espaço fechado), experimenta a suspensão do dia-a-dia; deixa do lado de fora sua vida e “esquece” a realidade e o que rege sua existência – inclusive os princípios.

Na comparação cinema-igreja, existe ainda a questão de sentar na frente ou atrás e assistir de determinada maneira (vestuário). O indivíduo tem que estar com outras pessoas, necessitando do apoio de outro. Compartilhar é ser sociável, e o cinema preenche essa necessidade. Dentro do cinema, o corpo faz parte do ambiente, se incorpora a ele – todos que estão lá pertencem à linguagem dinâmica do filme; não há cinema sem pessoas interagindo.

O som surround, em volume alto, mexe com a noção de equilíbrio, de espaço do corpo. A tela gera a inquietude da “próxima cena” no espectador. Em qualquer tipo de filme, o cinema gera suspense, altera os batimentos cardíacos, a sudorese, causa ansiedade, e as trilhas sonoras contribuem muito para isso. As telas cada vez maiores, panorâmicas, englobando a visão fóvica (central) e a visão periférica do indivíduo, não geram escape visual, como numa televisão. E mais: o ambiente escuro e um único ponto de luz são fatores importantes para a hipnose (olhar atentamente para um ponto fixo). É bom lembrar que não mais do que 20% daquilo que vemos, ouvimos ou sentimos passa pelo consciente. O restante fica armazenado no inconsciente e não se tem controle sobre o que está guardado lá.

Agora, imagine que você foi ao cinema assistir a um filme. Você já fez um ritual religioso, foi adorar algo sem perceber. Deixou sua realidade fora do ambiente, seus sentidos estão tomados pelo contágio, pelo desenrolar do filme; o poder de um som alto e surround mexe com seu equilíbrio; tudo isso somado ao princípio da hipnose toma conta de seus sentidos. Você entra, participa do filme com todas as suas emoções e seu inconsciente acredita piamente que o que vê é realidade. Isso se torna a sua realidade. O que você faz?

1. Tem consciência de todos esses fatos e fecha os ouvidos e os olhos.

2. Tem consciência disso tudo e sai correndo do cinema – como José fugiu da esposa de Potifar –, e todos ficam achando que você é um maluco.

3. Não tem consciência de nada disso, acha que ir ao cinema é algo inofensivo, curte tudo “numa boa”, e depois sai da sala de cinema com a mente cauterizada e as emoções dessensibilizadas.

4. Não vai ao cinema e está com a mente livre de tudo isso.

A decisão é unicamente sua. A quem e onde você deseja adorar? Com que pessoas você quer ter comunhão? Com o que pretende se envolver? A quem você quer entregar seus sentidos e toda a sua vida?

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida.” Provérbios 4:23.

Cristiano James Kleinert, designer e programador visual

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Hollywood propaga o engano!

Há muito tempo, o inimigo de Deus, o anjo caído conhecido como Satanás, vem semeando o engano neste planeta. Começou no Éden, afirmando que o ser humano poderia ser como Deus e que, mesmo que se rebelasse, como ele, Lúcifer, fez no Céu, não colheria o resultado desse afastamento do plano do Criador (Gn 3:4, 5). Mas as consequências da rebelião podem ser vistas em cada canto deste planeta e logo Deus dará um basta a tudo isso.

De lá para cá, a mentira básica – “certamente não morrereis” e “sereis como Deus” – apenas se sofisticou, adaptando-se às diversas mentalidades, amoldando-se aos padrões de épocas sucessivas, encaixando-se na maneira de pensar dos seres humanos ao longo dos séculos.

Para os mais politizados e distanciados de Deus, inspirou doutrinas políticas utópicas segundo as quais o homem (ou “super-homem”, como queriam) resolveria os problemas da humanidade por via revolucionária. Frustração.

Para os mais espiritualizados, alimentou a crença de que, independentemente do que seja feito com as poucas décadas que temos de existência, a vida continua no “além”. Afinal, a alma não é imortal? Vai-se para o Céu imediatamente, ou se reencarna, ou, na pior das hipóteses, acaba-se no inferno. Mas não há morte definitiva. Pior: para os crentes no “inferno eterno” em que “almas eternas” ardem sem ser destruídas, num tipo de milagre macabro de manutenção da vida – sim, porque só Deus tem vida em Si mesmo e a concede às criaturas –, Deus é apresentado como o maior tirano do Universo, capaz de sentenciar alguém à danação eterna por pecados cometidos no curto intervalo de uma vida. Das duas uma (e em ambas o inimigo sai ganhando): ou a pessoa fica do lado de Deus por medo ou se afasta completamente dEle, por considerá-Lo injusto ou irreal.

Bem, há também aqueles que aparentemente nada têm que ver com doutrinas políticas ou crenças espirituais, mas inconscientemente sofrem do mesmo "otimismo ateu". Para esses, o ser humano está destinado a evoluir e, se as condições planetárias permitirem, se aprimorar mais e mais.

“Sereis como Deus” (social, espiritual ou fisicamente) é a mentira básica. E há muita gente inocente, boa e sincera sendo envolvida por essa onda contagiante que hoje conta com o poderoso marketing das superproduções de Hollywood, capazes de “pregar” para as massas com uma eficácia capaz de causar inveja ao maior dos pregadores.

Um dos mais recentes filmes que se encaixa perfeitamente nessa descrição tem como título "Presságio" ("Knowing", em inglês), com o famoso astro Nicolas Cage. A produção faz parte da nova onda de “filmes apocalípticos” que têm invadido as salas de cinema e os lares em todo o mundo.

Agora note os paralelos de "Presságio" com outros equívocos doutrinários disseminados pelo inimigo com o mesmo e velho propósito de ofuscar a verdade:

1. No filme, crianças começam a ouvir “línguas estranhas” e passam a agir como “profetas”, prenunciando tragédias em número crescente.

2. O pai de uma dessas crianças, cético e cientista do MIT, descobre uma profecia numérica cifrada e escrita 50 anos antes por outra criança. Quando a decifra, ele começa a crer em tudo, como uma espécie de novo convertido.

3. Sobre as pessoas que morrem antes da realização da última profecia, é dito que “ficarão bem”.

4. O personagem de Cage descobre que uma tempestade solar incinerará a Terra e procura salvar o filho.

5. Finalmente, descobre-se que os homens misteriosos que estavam enviando as mensagens aos “profetas” e que davam pistas para salvar essas pessoas, são, na verdade, extraterrestres.

6. No momento da ascensão para a nave claramente inspirada no mecanismo de rodas mencionado pelo profeta Ezequiel (Ez 1:15-18), os “anjos” extraterrestres até exibem asas de luz.

7. Os escolhidos – as pessoas que eram capazes de ouvir a “língua estranha” – são arrebatados em naves espaciais. Os demais são deixados para trás.

8. Enquanto bilhões de seres humanos são queimados pelas labaredas solares, uma parte da humanidade aterrissa num planeta idílico e corre com roupas brancas em direção a uma... árvore cintilante! (Ap 22:1, 2).

Sei que você vai dizer que já viu esse filme antes. Não é déjà vu. Se conhece alguma coisa da Bíblia e a crença de grande parte dos evangélicos (especialmente pentecostais), você já viu/ouviu, sim, algo parecido. A diferença é que, no filme, Deus é excluído, as causas da destruição pelo fogo são “naturais” não associadas à volta de Jesus, e a “salvação” vem dos ETs e não do Criador. O resto está tudo lá, como numa paródia ateia dos livros da série “Deixados Para Trás”: arrebatamento, profecias, catástrofes e multidões deixadas para trás enquanto alguns vão para a “glória”.

O que se nota é que as opções vão se afunilando engenhosamente orquestradas pela mente astuta daquele que as originou e agora as alinhava. Arrebatamento sem volta de Jesus, aquecimento do Sol como fenômeno natural, salvamento feito por extraterrestres, vida eterna sem o Doador da vida. Chega o tempo em que tanto faz se você crê ou não. Ou será “salvo” da destruição por extraterrestres ou cairá no último engano de Lúcifer: a simulação da vinda de Jesus. A menos que perceba que tudo isso não se trata de teorias conspiratórias e que são coincidências demais para serem apenas isso, coincidências.

Mesmo os ditos céticos (como o astrofísico do filme) não estão imunes ao engano. Quando surgir em algum lugar uma nave espacial com seres luminosos, que pensarão aqueles que dizem ter "mente científica"? Dirão, mais uma vez, que contra fatos não há argumentos? Se Carl Sagan estivesse vivo, seria o primeiro a saudar os visitantes de "outro mundo", nesse contato imediato.

Note que a Bíblia é bem clara: Jesus voltará visivelmente (Ap 1:7), como Ele mesmo prometeu em João 14:1-3 e em centenas de outros textos; não pisará na Terra novamente e levará (arrebatará) para o Céu aqueles que estiverem vivos por ocasião de Sua vinda (1Ts 4:17), ressuscitará os mortos que aceitaram o oferecimento da salvação (1Ts 4:16) para que se unam ao grupo dos vivos e subam juntos ao Céu. Aí, sim, começará de fato a vida eterna. Nada se fala de inferno eterno, alma imortal ou reencarnação (clique também aqui para ver o que a Bíblia fala sobre isso).

O inimigo sabe que pouco tempo lhe resta, por isso está intensificando sua campanha de marketing mentirosa.

De que lado você quer estar: com aqueles que acreditam em propaganda enganosa ou com os que seguem a Verdade, custe o que custar?

Michelson Borges

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

"Muitos céus, uma Terra"

Os judeus foram "verdes" durante milênios sem sabê-lo?

Uma delegação judaica marcou presença esta semana [2-4 de novembro] numa conferência sobre mudanças climáticas no Reino Unido, para discutir medidas eco-amigáveis baseadas nos princípios judaicos do Shabat, cashrut e Shmita, a ordem para deixar a terra descansar a cada sétimo ano.

Intitulado "Muitos céus, uma Terra", a conferência no Palácio de Windsor na Inglaterra convidou representantes de nove religiões de todo o mundo a fim de oferecer suas perspectivas sobre as mudanças climáticas e o meio ambiente.

A proposta da delegação judaica, composta por membros de Israel, América do Norte e Europa, destacou os benefícios ambientais do Shabat, argumentando que as comunidades judaicas podem adotar o princípio de um dia de descanso para ajudar a reduzir a poluição.

"Para a comunidade global, o modelo do Shabat é útil ao demonstrar como viver, mesmo que apenas um dia por semana, sem consumir", afirmou a proposta. "Se todos os moradores em uma grande cidade escolherem um dia da semana para deixar de conduzir veículos, haveria melhora imediata no congestionamento da cidade, na qualidade do ar e nas emissões de carbono".

[...]

A conferência, organizada pelo princípe Philip, aconteceu um mês antes da Conferência sobre Mudanças Climáticas da ONU em Copenhague e teve como objetivo aumentar a pressão sobre os líderes mundiais para alcançar um acordo sobre as emissões de gases de efeito estufa quando se reunirem na capital dinamarquesa.

[...]

Fonte: Jewish Telegraphic Agency

Nota M.P.: Que o sábado é uma benção não só para o homem como para o meio ambiente não resta dúvidas... Essa conferência, patrocinada pela Alliance of Religions and Conservation (ARC), a qual foi fundada pelo príncipe Philip (famoso ocultista defensor da Nova Ordem Mundial), e recebendo a presença do secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, encarregou-se de unir ainda mais as maiores religiões do mundo em torno do ECOmenismo, e também de dar destaque à idéia de um dia de descanso para salvar o planeta. Os acontecimentos estão convergindo rapidamente para a crise final deste mundo com o estabelecimento da futura lei dominical... Quem viver verá...

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

A batalha pela mente - 3ª Parte

2. Açúcar

“Segundo a luz que me foi dada, o açúcar, quando usado abundantemente, é mais prejudicial que a carne.” – Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 328

“O açúcar não é bom para o estômago. Produz fermentação, o que embota o cérebro e deixa a disposição irritadiça.” – Ibidem, 391.

“Bolos, pudins, massas folhadas, geléias e doces são causa ativa de má digestão. Especialmente nocivos são os cremes e pudins em que o leite, ovos e açúcar são os principais ingredientes.” – Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 301

“É melhor deixar em paz os doces. Deixai em paz aquelas sobremesas doces que são colocadas sobre a mesa. Não necessitais delas. Precisais de uma mente clara para pensar segundo a vontade de Deus.” – Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 328

Lembre-se: “Com a mente servimos ao Senhor.” – Temperança, pág. 14

Consumo anual per capita de açúcar nos EUA

Ano / Colheres de chá por dia
1820 / 2,5
1870 / 11
1900 / 20
1940 / 30
1970 / 32
Hoje / 40

O açúcar destrói casamentos

“O excesso de açúcar torna a pessoa irascível e induz marido e mulher a brigarem, chegando a provocar, inclusive, muitos desquites. Durante anos, o estudioso [Dr. Halstead] juntou numerosas provas para sustentar sua tese.” – Gazeta S.A, 1981

Oito tipos de câncer ligados ao açúcar

Câncer de cólon
Câncer retal
Câncer de mama
Câncer de ovário
Câncer de útero
Câncer de próstata
Câncer renal

Continua...

A batalha pela mente - 1ª Parte
A batalha pela mente - 2ª Parte

ONU: Controle demográfico pode ajudar em combate ao aquecimento

O controle do crescimento da população mundial pode ajudar no combate ao aquecimento global, afirma um relatório publicado nesta quarta-feira pelo Fundo da População das Nações Unidas (UNFPA).

O documento O Estado da População 2009, de 104 páginas, ainda destaca a importância da criação de políticas para apoiar as mulheres que, segundo a ONU, estão entre as maiores vítimas dos efeitos do aquecimento global.

“As mulheres têm mais chances do que os homens de morrer em desastres naturais. E este fato é ainda mais gritante em regiões onde as rendas são menores e as diferenças entre os sexos são maiores”, diz o relatório.

Até recentemente a ONU vinha resistindo em mencionar a relação entre população e mudanças climáticas.


“De fato, o medo de parecer estar apoiando o controle a população vinha, até bem pouco tempo, prevenindo a menção do termo 'população' no debate sobre o clima”, diz o relatório.

“No entanto, alguns participantes deste debate agora estão tentados a incluir o impacto do crescimento da população.”

Segundo o relatório, a problemática deve ser levada à mesa de negociações na cúpula da ONU sobre o clima em Copenhague, no mês que vem.
...
Fonte - BBC

Nota DDP: Os fatos indicam que os dias de liberdade estão contados. Veja também "Composição familiar influencia mudança climática". Destaque:

Haug defendeu a necessidade de incorporar de maneira mais explícita esses elementos no debate internacional sobre a mudança climática, que - segundo ele - está, por enquanto, limitado demais em desenvolver tecnologia e conseguir o financiamento para diminuir as emissões de gases do efeito estufa.

Interessante que o foco do debate se desloque das "questões técnicas e econômicas", para as de cunho familiar por exemplo, como um outro poder mundial tem se esforçado em direcionar. Quanto tempo até que os discursos se harmonizem?

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Religiões unidas pela compaixão

Representantes de várias confissões religiosas e não-crentes reuniram-se este Domingo em Lisboa para um encontro sobre a temática da Compaixão, no âmbito da iniciativa internacional Charter for Compassion.

Na Mesquita Central de Lisboa estiveram presentes representantes da Comunidade Judaica, Igreja Católica e da Comunidade Islâmica em Portugal, bem como Mário Soares, Presidente da Comissão da Liberdade Religiosa.
...
O conceito Charter for Compassion foi lançado, a 27 de Setembro, no Centro Dalai Lama em Vancouver (Canadá), com a presença de Karen Amstrong e do Dalai Lama e ainda de outros sete Prémios Nobel. A 12 de Novembro, realizou-se a primeira leitura do Charter for Compassion em Conferências de Imprensa, simultâneas em sete cidades do Mundo.

Esta iniciativa já realizada em vários países tem como objectivo encorajar cidadãos de todos os países a contribuir objectiva e efectivamente na sensibilização das sociedades para a compaixão, um sentimento que pouco a pouco tem vindo a ser desvirtuado e até mesmo corrompido.

São bem-vindos a esta iniciativa, todos os grupos e indivíduos que, independentemente da sua etnia, cultura e crença, ou não crença, estejam disponíveis para reabilitar os valores da compaixão, levando-a a todos aqueles que estão necessitados de uma mão amiga.

O objectivo desta iniciativa é expandir as mentes e reflectir sobre a situação global, que tende a deteriora-se, com o aumento da violência no mundo.

Fonte - Ecclesia

Nota DDP: Transcrevo comentário do "Cristo Voltará", muito embora este se refira a uma notícia anteriormente aqui veiculada:

Observa-se uma crescente intensificação nesses encontros. Ocorrem vários por mês. O atual papa está cumprindo o que prometeu: prioridade ao ecumenismo. Isso significa dizer: fortalecimento do domingo e combate ao sábado.

Outras informações neste contexto, podem ser observadas no ciclo de "Palestras sobre Profecias", já disponibilizadas neste espaço.

Fim do Mundo em 2012?







terça-feira, 17 de novembro de 2009

Como ler Ellen White no século XXI

Autor: Pr. George R. Knight, historiador Adventista, ex-professor na Universidade de Andrews. Atualmente, 
jubilado, mora em Rogue River, Oregon, EUA

O que devemos fazer com uma escritora que aconselha as mulheres a encurtar os vestidos em vinte centímetros, num mundo em que muitas já os usam curtos demais, ou que recomenda que as escolas adventistas ensinem as meninas a arrear e montar cavalos, quando a maioria delas nunca precisará desse conhecimento?

Parte do problema é que o mundo mudou radicalmente desde o tempo em que Ellen White viveu. Esse, porém, não é o único aspecto que os leitores do século XXI precisam levar em consideração quando leem e procuram aplicar os conselhos de um profeta que viveu em tempo e lugar diferentes. Abaixo estão dez orientações que ajudarão nossa leitura dos escritos de Ellen White a se tornar mais proveitosa e equilibrada. (1)

1. Concentre-se no assunto principal.

Uma pessoa pode ler os escritos de Ellen White de duas maneiras, pelo menos. Uma é buscando o tema central; a outra é procurando coisas que são novas e diferentes. O primeiro modo nos leva a uma compreensão mais acurada, enquanto o segundo leva a distorções no sentido proposto pelo autor e geralmente leva a extremos, o que Ellen White detestava. Ela mesma defendia o estudo da Bíblia mediante o qual os leitores procuram “ganhar conhecimento do tema central ‘da Bíblia’”. Para ela, esse tema era o plano da redenção e o grande conflito entre o bem e o mal. “Encarado à luz deste conceito”, o grande tema central da Bíblia, “cada tópico tem nova significação” (Educação, p. 190, 125).

Em resumo, seu conselho era ler para compreender o todo. O quadro geral mostra o contexto para interpretar outros assuntos, tanto em termos de significado como de importância. Esse princípio, além dos escritos de Ellen White, aplica-se igualmente à Bíblia.

2. Enfatize o que é importante.

No início do século XX, quando alguns líderes da igreja usavam os escritos de Ellen G. White para provar certos pontos proféticos que ela cria serem de menor importância, ela escreveu que “o inimigo de nossa obra se agrada quando um assunto de menor importância pode ser usado para desviar a mente de nossos irmãos das grandes questões que devem constituir a preocupação de nossa mensagem” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 164, 165).

3. Estude todas as informações disponíveis sobre o assunto.

O neto e biógrafo de Ellen White, Arthur White, destacou esse assunto quando escreveu que “muitos têm errado ao interpretar o significado dos testemunhos tomando declarações isoladas ou fora do contexto como base para crença.

Alguns fazem isso, mesmo que existam outras citações que, se consideradas com cuidado, mostram que tomar posições baseadas em declarações isoladas, é insustentável”. (2)

4. Evite interpretações extremistas.

Por não seguir as orientações que Ellen White deu, alguns indivíduos recriam essas orientações de uma forma extremista, como eles próprios. Durante toda a sua vida, a tendência dela foi pela moderação que, infelizmente, falta em alguns que alegam ser seus fiéis seguidores. Por exemplo: alguns utilizam uma declaração em que Ellen White mostra desagrado com o jogo de bola para condenar todos os tipos de jogos, ao passo que ela mesma escreveu: “Não condeno o simples exercício de brincar com uma bola; mas isto, mesmo em sua simplicidade, pode ser levado ao excesso” (O Lar Adventista, p. 499). Como em muitas situações, Ellen White foi moderada, em vez de extremista.

5. Tome em consideração tempo e lugar.

Por causa das mudanças no tempo e no espaço, é importante compreender o contexto histórico de muitos dos conselhos de Ellen White. Só podemos considerar seu conselho de encurtar o vestido em vinte centímetros como algo apropriado para as mulheres do século XIX. Nunca poderíamos usar essa citação como se ela tivesse escrito para o tempo da minissaia. “Quanto aos testemunhos”, Ellen White escreveu, “coisa alguma é ignorada; coisa alguma é rejeitada; o tempo e o lugar, porém, têm que ser considerados” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 57). Repetidamente, ela deu esse conselho ao longo de seu ministério.

6. Estude cada afirmação em seu 
contexto literal.

Com muita frequência, as pessoas baseiam sua compreensão dos ensinos de Ellen White no fragmento de um parágrafo ou numa afirmação isolada, totalmente fora do contexto. Falando sobre o mau uso que alguns fazem dos seus escritos, ela escreveu que: “Citam metade de uma frase, e omitem a outra metade, a qual, se fosse citada, mostraria que o raciocínio de quem assim procede, é falso” (Mensagens Escolhidas, v. 3, p. 82).

7. Reconheça a compreensão de Ellen White sobre o ideal e o real.

Frequentemente, Ellen White dava conselhos sobre o mesmo assunto, sob dois aspectos. O primeiro pode ser considerado como o ideal. Nesse aspecto, as declarações não permitem exceções. Um exemplo é o conselho em relação ao ideal de que os pais deveriam ser os “únicos professores de seus filhos até alcançarem a idade de oito a dez anos” (Testemunhos Para a Igreja, v. 3, p. 137). Por outro lado, quando ela trata com situações do cotidiano do mundo, frequentemente seu conselho é ajustar as necessidades reais do povo com suas reais limitações. Embora tenha moderado seu conselho para que os pais sejam os “únicos” professores ao acrescentar que esse ideal deveria ser mantido, “se” tanto o pai como a mãe desejassem fazer o trabalho. Se não, as crianças deveriam ser enviadas à escola (Mensagens Escolhidas, v. 3, p. 215-217).

Ellen White nunca perdeu seu senso de ideal, mas estava pronta a acomodar seus conselhos para se adequar à realidade do mundo. Um dos aborrecimentos de sua vida foi com aqueles que coletavam suas afirmações do ideal procurando apenas “impô-las a todos, e, em vez de ganhar almas, repelem-nas” (Mensagens Escolhidas, v. 3, p. 284-288).

8. Use o bom-senso.

As citações de Ellen White não resolvem todos os problemas. Às vezes, simplesmente não encaixam. Quando surgiram alguns problemas porque estavam mencionando suas declarações de que os pais deveriam ser os únicos professores de seus filhos até os 8 ou 10 anos de idade, ela respondeu dizendo que “Deus deseja que lidemos sensatamente com esses problemas”. Ela estava sendo provocada pelos que tomaram uma atitude dizendo: ‘Ora, a irmã White disse assim e assim, e a irmã White falou isto ou aquilo; e, portanto, procederemos exatamente de acordo com isso.’” Sua resposta para tais pessoas foi: “Deus quer que todos nós tenhamos bom-senso, e deseja que raciocinemos movidos pelo senso comum. As circunstâncias alteram as condições. As circunstâncias modificam a relação das coisas” (Mensagens Escolhidas, v. 3, p. 215, 217). Seu conselho foi que os leitores precisavam usar bom-senso, mesmo quando tinham uma citação sua sobre o assunto.

9. Descobrir os princípios implícitos.

Na virada do século XIX para o XX, Ellen White escreveu que seria bom que “as moças pudessem aprender a arrear e cavalgar” (Educação, p. 216, 217). Aquela era uma prática em seus dias, mas não mais hoje. Os princípios implícitos nesse conselho, entretanto, ainda são muito importantes. Ou seja, as mulheres devem ser auto-suficientes ao locomover-se. Portanto, em nossos dias, devem ser capazes de dirigir um carro e trocar um pneu. A especificação exata do conselho pode mudar, mas o princípio implícito tem valor permanente.

10. Tenha certeza de que isso foi dito por Ellen White.

Muitas declarações atribuídas a Ellen White nunca foram feitas por ela. O único método seguro é usar declarações que podem ser encontradas em seus trabalhos publicados ou não publicados, mas validados pelo Departamento de Pesquisas Ellen White. Muitos têm sido desviados por declarações que ela nunca fez, mas que são atribuídas a ela.

Os escritos de Ellen White têm sido uma bênção a leitores em todo o mundo. E serão muito mais eficazes se forem lidos tendo em conta as orientações acima.

(1) Discussão mais detalhada sobre esse assunto pode ser encontrada em George R. Knight, Reading Ellen White: How to Understand and Apply Her Writings (Hagerstown, Md.: Review and Herald Publishing Assn., 1997).
(2) Arthur L. White, Ellen G. White: Messenger to the Remnant (Washington, D.C.: Review and Herald Publishing Assn., 1969), p. 88.

domingo, 15 de novembro de 2009

O fim do mundo

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Terremotos

Fazendo uma pesquisa na internet sobre os terremotos ocorridos nos últimos meses, encontrei inúmeros deles, escolhi apenas alguns; as datas se referem ao dia em que a notícia foi divulgada, não, precisamente, à data do terremoto. Ao ler as notícias me senti como se estevisse assistindo a um filme de ficção relacionado com o Fim dos Tempos. Veja as notícias:



Terremoto causa Tsunami nas ilhas Samoa e faz número desconhecido de mortos (mais de 200)

Terremoto de 6,3 na escala Richter atinge capital da Indonésia 16/10/2009

Terremoto de 6,2 graus na escala Richter sacode as ilhas Samoa 19/10/2009

Terremoto de 7 graus na escala Richter atinge a Indonésia 24/10/2009

Terremoto de magnitude 5,5 atinge Colômbia; não há vítimas 27/10/2009

Terremoto de 6,8 graus abala sul do Japão 30/10/2009

Terremoto atinge área de alta atividade sísmica na Grécia 03/11/2009

Tremor de 6 graus ocorre perto de arquipélago de Açores 04/11/2009

Terremotos afetam o estado de Oregon (EUA) 04/11/2009

Terremoto sacode Taiwan, não há informações sobre danos 05/11/2009

Terremotos assustam população da ilha da Sicília 08/11/2009

Terremoto de 6,7 graus na Indonésia deixa 2 mortos e 82 feridos 09/11/2009

Não quero com este post alarmar alguém, logo por que ainda existem vários outros eventos mais importantes para acontecer. No entanto, quero apenas alertar que não podemos deixar a preparação individual para o futuro. Os pequenos avisos nos servem de alerta, não podemos deixá-los passar desapercebidos, como aconteceu com os antidiluvianos. O número e intensidade dos terremotos têm aumentado assustadoramente no decorrer dos séculos, principalmente desde quando iniciou-se o Tempo do Fim (Daniel 7, 8, 9 e 12). Não seria isso um dos inúmeros avisos de que estamos no Fim dos Tempos?

Fonte - Resta Uma Esperança

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Preparem-se com a reforma de saúde!



Nota: “Satanás reuniu os anjos caídos a fim de inventar algum meio de fazer o máximo de mal possível à família humana. Foi apresentada proposta sobre proposta, até que finalmente Satanás mesmo imaginou um plano. Ele tomaria o fruto da vide, também o trigo e outras coisas dadas por Deus como alimento, e convertê-los-ia em venenos que arruinariam as faculdades físicas, mentais e morais do homem, dominariam de tal maneira os sentidos, que Satanás teria sobre eles inteiro controle...” Tem.,12.

As coisas estão acontecendo em baixo de nossos narizes e fingimos que nada é nada ou nem ao menos enxergamos, tapados pela cegueira espiritual!

Despertem! Despertem! Despertem ó noivas, pois lá vem o noivo!

Jean R. Habkost

A batalha pela mente - 2ª Parte

1. Irregularidade no comer

“Fico atônita ao saber que, depois de todo o esclarecimento que tem sido dado nesta instituição, muitos de vós comam entre as refeições! Não deveis nunca permitir que um bocado vos passe pelos lábios entre vossas refeições regulares.” – Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 159

“Tomada a refeição regular, deve-se permitir ao estômago um descanso de cinco horas. Nenhuma partícula de alimento deve ser introduzida no estômago até a próxima refeição.” – Conselhos Sobre o Regime Alimentar, pág. 179

“Coisa alguma se deve comer entre [as refeições], nada de doces, nozes, frutas, ou qualquer espécie de comida.” – A Ciência do Bom Viver, pág. 384

Nem coisa boa, nem (e muito menos) ruim.

“Muitos comem a toda hora, a despeito das leis da saúde. Depois, a mente fica obscurecida. Como podem os homens ser honrados com a iluminação divina, quando são tão descuidados em seus hábitos, tão desatenciosos para com a luz que Deus tem dado com relação a estas coisas?” – Obreiros Evangélicos, pág. 241.

“Com a mente servimos ao Senhor.” – Temperança, pág. 14

Conseqüências de comer fora de hora:

a) Aumento de peso
b) Redução de água e proteína corpórea
c) Alteração na tireóide e nas atividades do tecido enzímico
d) Agravamento da arteriosclerose
c) Aumento severo do diabete

A batalha pela mente - 1º Parte


Continua...

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Miguel é Jesus?

O significado dos dois nomes Jesus e Miguel.

Jesus: Transliteração de "Iesous", do grego, que por sua vez é uma tradução do nome hebraico "Yeshua", que significa "salvação, aquele que salva, salvador”.

Miguel: Original no hebraico significando “Aquele que é como Deus
Mig- “ser, igual, semelhante” El – "Deus".

O sufixo "el", que significa "Deus", e é usado em outros nomes bíblicos em forma de afirmação, tal como em Daniel ("Meu juiz é Deus"), Emanuel ("Connosco está Deus"), Ezequiel ("A força de Deus"), Samuel ("Nome de Deus") ou Gamaliel ("Recompensa de Deus").

Mas a bíblia nos diz que não há ninguém como Deus!
Ex: “Todos os meus ossos dirão: SENHOR, quem contigo se assemelha? Pois livras o aflito daquele que é demais forte para ele, o mísero e o necessitado, dos seus extorsionários.”(Salmo 35:10)

Ó SENHOR, Deus dos Exércitos, quem é poderoso como tu és, SENHOR, com a tua fidelidade ao redor de ti?!”(Salmo 89:8)

Pois, quando Deus fez a promessa a Abraão, visto que não tinha ninguém superior por quem jurar, jurou por si mesmo, dizendo: Certamente, te abençoarei e te multiplicarei.”(Hebreus 6:13e14)

Opa! Uma contradição? A bíblia está errada?

Calma, vamos entender mais algumas coisas.

O nome Miguel é escassamente referido na Bíblia, surgindo apenas nos versículos seguintes.

Daniel 10:13
"O Príncipe do reino da Pérsia me resistiu durante vinte e um dias, mas Miguel, um dos primeiros príncipes, veio em meu auxílio"

Daniel 10:21
"Ninguém me presta auxílio para estas coisas senão Miguel, vosso Príncipe."

Daniel 12:1
"Nesse tempo levantar-se-á Miguel, o grande Príncipe, que se conserva junto dos filhos do teu povo. Será um tempo de tal angústia qual jamais terá havido até aquele tempo, desde que as nações existem. Mas nesse tempo o teu povo escapará, isto é, todos os que se encontrarem inscritos no Livro."

Judas 9
"E, no entanto, o arcanjo Miguel, quando disputava com o diabo, discutindo a respeito do corpo de Moisés, não se atreveu a pronunciar uma sentença injuriosa contra ele, mas limitou-se a dizer: O Senhor te repreenda!"

Apocalipse 12:7
"Houve então uma batalha no céu: Miguel e seus Anjos guerrearam contra o Dragão. O Dragão batalhou, juntamente com seus Anjos, mas foi derrotado, e não se encontrou mais um lugar para eles no céu."

Bom agora vamos entender como podemos chegar a conclusão de que Jesus e Miguel são a mesma pessoa. Lembro primeiramente que identificar Miguel com Jesus é um objetivo meramente informativo, pois este assunto não é considerado uma doutrina, nem tampouco é de grande importância para salvação do indivíduo de forma direta, mas sim para compreender mais a bíblia e Seus dizeres, alcançando assim a salvação. “Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim.”(João 5:39)

• Jesus é criador (João 1:3); Anjo é criatura (Colossenses 1:16);

• Miguel é o único arcanjo mencionado na Bíblia (comandante dos anjos);

• Jesus é adorado pelos Anjos (Hebreus 1:6), mas não por Miguel.

• As únicas referências bíblicas para o nome Miguel foram mencionadas acima e são:
Daniel 10:13; Daniel 10:21; Daniel 12:1; Judas 9; Apocalipse 12:7
• Nenhuma dessas referências apresenta Jesus sendo adorado por Miguel.

• Os anjos não podem ser adorados (Apocalipse 22:8-9);

• Mas não posso dizer que Miguel não pode ser adorado enquanto existir evidência de que se trata justamente da pessoa de Jesus;

• Jesus é o Senhor dos Senhores (Apocalipse 17:14);

• Jesus é o Príncipe da Paz (Isaias 9:6);

• Miguel é um dos Primeiros Príncipes (Daniel 10:13);

• Jesus é Rei dos Reis (Apocalipse 17:14) e Príncipe da Paz (Isaias 9:6);

• Miguel é o Grande Príncipe (Daniel 12:1);

• Miguel é o defensor dos filhos do teu povo;

• Em Daniel 12:1, Miguel é apresentado como salvador;

• Será salvo o teu povo, todo aquele que for achado inscrito no livro (da vida);

• Somente Jesus é Salvador (Atos 4:12);

• Considerar Miguel sendo uma criatura (um anjo) é contraditório, pois uma criatura (um anjo) não pode ser Salvador.

Na carta de Judas, no versículo 9, Miguel é designado como "o arcanjo" termo que significa "anjo principal". Esta é a única ocorrência bíblica de alguém ser chamado de "o arcanjo", logo podemos concluir que, existe apenas um anjo assim. A palavra "arcanjo" ocorre na Bíblia apenas no singular, nunca no plural. Além disto, o cargo de arcanjo se relaciona com Jesus.

"Porque o mesmo Senhor descerá do céu, com alarido e com voz de arcanjo."( Tessalonicenses 4:16)

Em Apocalipse 12:7 Miguel e seus anjos batalharam contra o dragão e seus anjos, de modo que Miguel é descrito ali como o líder de um exército de anjos fiéis. O mesmo livro também se refere a Jesus como líder de um exército de anjos fiéis, no capítulo 19, versículos 14 a 16, sendo que o apóstolo Paulo menciona especificamente o "Senhor Jesus" e os "seus anjos poderosos" (2 Tessalonicenses 1:7), pelo que é possível concluir que, na Bíblia, existem referências tanto de Miguel e "seus anjos" como de Jesus e "seus anjos". (Mateus 13:41; 16:27; 24:31; 1 Pedro 3:22)

No entanto, uma vez que nos textos bíblicos em nenhuma parte é indicada a existência de dois exércitos de anjos fiéis no céu, um comandado por Miguel e outro por Jesus, concluímos de que Miguel não é outro senão o próprio Jesus Cristo na sua posição celestial.

"Esta conclusão, não obstante, é tida como sendo muito débil por um não menor número de peritos que afirmam que em nenhuma parte, nos textos bíblicos, se nega a referida existência de dois exércitos – Christoph Blumhardt" (Vom Reich Gottes. Aus Predigten und Andachten, p. 137) ou que sejam um mesmo exército "com dois chefes, um dos quais - Miguel - subordinado ao outro - Jesus -, tal como dá a entender o facto de ter sido Deus e não Miguel a condenar Satanás" (Paul Kleinert - Die Propheten Israels in sozialer Bezichung, p. 78 ).

Entretanto, esta referência bíblica (Judas 9) de Deus (supostamente o Pai) e não Miguel (supostamente o Filho) repreendendo Satanás "O Senhor te repreenda" não é a única na Bíblia. Encontramos em Zacarias 3:2 o seguinte texto: "Mas o SENHOR disse a Satanás: - O SENHOR te repreende, ó Satanás; sim, o SENHOR, que escolheu a Jerusalém, te repreende".
Aqui em Zacarias 3:1 menciona o Anjo do SENHOR. Trata-se do próprio Deus. O mesmo título dado a Deus como "Anjo do SENHOR" é dado em Gênisis 22:15. Isto leva a crer que a sugestão de que Miguel é Jesus Cristo não é tida como sendo tão débil.

Para concluir: Penso no significado dos dois nomes e que Deus leva isso em conta pois Ele mesmo mudou e deu nomes a Seus servos fiéis (Abrão – pai da fé, Boanerges para João e Tiago – Filhos do trovão e etc.). Com isso fica sem sentido Jesus ser chamado de Jesus no céu sendo que o nome Jesus significa "salvação, aquele que salva, salvador”, quem Jesus salvo no céu? Ninguém! Mas Ele é “como Deus” – Miguel.

Jean R. Habkost

domingo, 8 de novembro de 2009

Vida fora da Terra em debate promovido pelo Vaticano

Abre-se esta Sexta-feira, no Vaticano, a semana de estudos promovida pela Pontifícia Academia das Ciências dedicada à “Astrobiologia”, matéria com a qual a Academia se associa às manifestações internacionais promovidas em 2009, o Ano da Astronomia.

A Astrobiologia é o estudo científico da vida no universo. Os astrobiólogos pesquisam como a vida surgiu e se desenvolveu na Terra, o que a governa, o modo como a vida é organizada e o que torna a Terra um planeta habitável.

A astrobiologia é uma ciência multidisciplinar: combina a biologia, a química, a física, a geologia e a astronomia. Especialistas destas diversas disciplinas vão partilhar resultados das suas pesquisas e oferecer uma perspectiva mais ampla sobre a incidência destes em outras áreas da astrobiologia.

Frequentemente, os astrobiólogos utilizam as informações sobre a vida na Terra para guiar o estudo sobre a existência de vida em outros lugares do cosmos.

ECCLESIA


Nota: Depois da notícia um tanto ilária de que Obama fará revelação oficial sobre a vida extra-terrestre, vemos então a primeira besta do Apocalipse seguindo a mesma linha.

Mero acaso? Não há duvidas que não! Vemos uma forte pregação em escala mundial sobre esse assunto. O maior evangelizador do século XXI sobre a vida fora da terra e que a salvação do planeta está nela é o cinema, ou melhor falando Hollywood! Filmes como O dia em que a terra parou ou Pressagio (4 anjos (caídos) salvam a humanidade guardando um casal de crianças enquanto o mundo é destruído por “fogo e enxofre”, logo na ultima cena temos o mundo totalmente restaurado, com a “arvore da vida plantada” e um recomeço com os novos “Adão e Eva”) e agora o mais novo, intitulado 2012 que será lançado nesta sexta-feira, que é justamente uma data ocultista – 13.

O filme segundo consta o trailer, chegamos ao fim do mundo, e pelo visto é o filme mais Ecumenico e ECOmenico da história do cinema. Cenas como o Papa anunciando o fim do mundo segundo as profecias do livro de Apocalipse (Revelação), o presidente Norte Americano clamando para que o egoismo seja deixado de lado, e todos se unam para a salvação da humanidade.


Está mais que escancarado os planos de satanás para os últimos dias e que se possível enganará até os eleitos!

Mais do que nunca devemos vigiar e orar o tempo todo, para que o Espirito Santo seja derramado sobre nós também, e não sejamos pegos de surpresa como as virgens loucas (Mateus 25:1-13).

Não deixe de ler Eles estão chegando I - II - III

Jean R. Habkost

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

As Preocupantes Implicações do Uso dos Tambores

Tudo, porém, seja feito com decência e ordem (I Coríntios 14:40)

A igreja de Corinto estava vivendo um conturbado momento na adoração por falta de ordem e reverência no culto a Deus. O emocionalismo e o exibicionismo estavam invadindo os cultos de adoração; o apóstolo Paulo, sentindo a necessidade de organização e sistematização no culto ao Deus verdadeiro, disse de forma consistente e lacônica: “Tudo, porém, seja feito com decência e ordem.” É interessante frisarmos que a palavra ‘decência’ no original grego: euschemonos, quer dizer apropriadamente e decentemente; já a palavra ‘ordem’ no grego: taxis, significa: justa, correta, ordenada e condição ordenada.

Penso que devemos ter bastante cuidado na nossa adoração, afim de que tenhamos um equilíbrio em a razão e a emoção. Trabalhemos arduamente para termos um culto Cristocêntrico, onde o nosso Deus seja adorado ‘na beleza da Sua santidade’.

Cuidado com o excesso de emocionalismo e sentimentalismo na música

Infelizmente estamos presenciado uma nova ‘onda’ ou um novo modismo de sentimentalismo e emocionalismo adentrando as nossas igrejas via ministério da música. Essa tendência está vindo como resultado de alguns músicos e cantores nossos copiarem modelos de cantores e músicos americanos; outro fator eu diria que é puramente comercial, ou seja, a vontade de fazer que com os nossos produtos fonográficos cheguem para o público evangélico em geral, e em especial as igrejas do ramo neo-pentecostal.

Há ainda outros fatores preocupantes, como o uso exagerado de alguns métodos ou ‘recursos’ gestuais na hora da adoração. São eles: O artifício de levantar as mãos, bater palmas, cantar de olhos fechados e o uso de instrumentos musicais que tendem a ‘mexer’ conosco da nossa cintura para baixo – por exemplo; a bateria/tambores, seja ela acústica ou elétrica, e também o uso exagerado da guitarra.

O que percebemos é que a maioria das igrejas evangélicas, em especial as do ramo neo-pentecostal que fazem o uso contínuo da bateria/tambores tem como resultado as seguintes atitudes físicas na hora da adoração musical: Começam cantando de olhos fechados, em seguida levam as mãos, dependendo do ritmo da música começam a bater palmas, logo em seguida vêm pequenos gestos de danças e o último resultado – a iniciação do falar em línguas estranhas. Perceba que a percussão vem acompanhada de um ‘pacote’ de atitudes gestuais na hora da adoração a Deus no momento da música, tornando assim, a nossa adoração, digamos, muito inclinada para o antropocentrismo.

Atitudes gestuais na hora da música

O ato de levantar as mãos é uma atitude bíblica de busca e de contrição espiritual (Salmos 134:2; 141:2, 143:6) ;o que nós não podemos é cantar sempre com as mãos levantadas e muito menos induzir as pessoas a levantarem as mãos se elas não se sentem a vontade para praticar tal atitude. A perfeita adoração a Deus tem que ser natural e sem constrangimentos. Falando ainda em gestos na hora da adoração a Deus, muitos perguntam: e o bater palmas?

O ato de bater palmas

Concernente o bater palmas (Salmos 47:1), creio que essa atitude depende em primeiro lugar do local onde estamos adorando ou celebrando; não creio que a nossa igreja seja um local apropriado para batermos palmas. Em segundo lugar depende da cultura do país onde estamos celebrando ou adorando; na nossa cultura adventista brasileira não temos as palmas como parte da adoração a Deus. É bem verdade que se for num auditório e não numa igreja nossa, às vezes é apropriado aplaudir não a pessoa, mas, devemos aplaudir o doador do dom ou do talento – Deus. Nossas palmas podem ser apropriadas em um ambiente adequado e devem sempre ser acompanhadas de um sonoro e forte: Louvado seja Deus!

Cuidado com os aplausos e os louvores humanos

Nunca deveríamos adorar a Deus com a intenção carnal de buscar os louvores e os aplausos dos homens; essa atitude não glorifica a Deus e muito menos nos eleva espiritualmente. Preocupa-me quando vejo um pregador ou cantor ‘fazendo média’ com a igreja ou com o auditório com essa intenção; a nossa ‘média’ tem que ser com Deus e para Deus.

“Nosso objetivo ao trabalhar para o Mestre deve ser que Seu nome seja glorificado na conversão de pecadores. Os que labutam para obter aplausos não são aprovados por Deus. O Senhor espera que Seus servos trabalhem impelidos por um motivo diferente.” Este Dia Com Deus – MM – 1980, 6 de Agosto, Pág.225.

O aplauso humano é enganador e fugaz; você que é uma “estrela” de Jesus, tome todo o cuidado possível pois, quando as palmas e os aplausos vierem, diga sempre: Louvado seja o nome de Jesus, ainda que o seu coração diga outra coisa diferente. Falando em coração, cuidado, ele pode lhe trair. Relembre comigo o que disse Jeremias:

“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?” (Jeremias 17:9).

Não se engane Deus sabe os motivos e as razões pessoais que nos levam a querer receber os aplausos humanos:

“Muitos recebem aplausos por virtudes que não possuem. O Perscrutador dos corações pesa os motivos, e muitas vezes ações altamente louvadas por homens são por Ele registradas como partindo de egoísmo e baixa hipocrisia. Cada ato de nossa vida, seja excelente e digno de louvor ou merecedor de censura, é julgado pelo Perscrutador dos corações segundo os motivos que o determinaram.” Beneficência Social. Pág. 315.

O exemplo clássico a ser seguido em matéria de aplausos e de buscar para si os holofotes humanos é o de Jesus – O nosso Salvador, veja qual era a Sua atitude:

“Jesus era um silencioso e abnegado obreiro. Não buscava fama, riquezas, ou aplausos; nem consultava a própria comodidade e prazer.”O Cuidado de Deus – MM – 1995, 12 de Maio, Pág.146.

Todavia, os nossos desafios em matéria de adoração não param por aí, penso que adoração é solenidade, reverência e concentração; cuidemos com os ‘ruídos’ na hora da adoração.

Cantar de olhos fechados ajuda?

Quanto ao ato de cantar de olhos fechados, isso é muito pessoal e também depende do ambiente onde estamos adorando, se você acha que essa atitude física aumenta o seu nível de concentração e de entrega a Deus, então o faça, e que Deus lhe abençoe e que você seja enriquecido pelo céu.

Agora não se esqueça de que os olhos abertos comunicam muito na hora da adoração, seja na pregação ou na música. Os adoradores precisam ‘ver’ e ‘ler’ a mensagem pregada ou cantada em seus olhos. Os chineses dizem que ‘os olhos são as janelas da alma’.

Entretanto, o que me preocupa é alguns cantam de olhos fechados e ainda ‘gemendo’, a quem esse tipo de atitude física ajuda? Que Deus nos dê sabedoria em cada momento da adoração pregada ou cantada. Tudo na adoração é para glória de Jesus (I Coríntios 10:31 - “... Fazei tudo para a glória de Deus.”) Quando a adoração é centralizada no ser humano e ‘suas’ capacidades, ela é vazia destituída de poder. E a bateria, ela ajuda ou atrapalha na adoração ao Deus verdadeiro?

E a Bateria/Tambores devem ter lugar na nossa adoração a Deus?

Passemos então a estudar um pouquinho as preocupantes implicações do uso da bateria/tambores na adoração a Deus através da música. Nós podemos usar a bateria em nosso louvor, todavia, isso tem um preço muito alto. Agora, pior do isso, tem sérias implicações negativas, vou enumerar algumas delas:

01) A Bateria/Tambores e a Música Rock

Hoje, estudando o assunto dos tambores na Bíblia e na Internet, aprendi um neologismo: “Baal-Teria” . A bateria foi inventada no começo dos anos de 1900, dentro do jazz americano, bastante executado pelas bandas de rua de New Orleans – EUA; já no Brasil dizem que foi Luciano Perrone o criador da bateria no Rio de Janeiro na época do cinema mudo. O fato é que esse instrumento tem trazido discussões e divisões para dentro da nossa igreja. O que vamos fazer? Lembra, que eu falei de preço...?

É impressionante como a bateria/tambores está para a música rock, como o mar está para peixes. Por quê? É para tornar as massas dançantes, agitadas, pouco reflexivas. Normalmente a música rock tem uma mensagem para passar para os jovens, o que também pode ser chamado de produto para ‘vender’. O Rock induz a juventude a comprar esse ‘produto’, dentro de contexto musical.

Conversando sobre a bateria, com um amigo meu aqui de Brasília que é músico, ele me dizia: “Quem tem a bateria domina” , “A bateria vende a mensagem” ; e por último ele me disse: “A bateria coloca o ‘adorador’ a mercê da banda” . Evidentemente que há outros instrumentos que também têm essa capacidade indutiva, entre eles a guitarra por exemplo; porém, a bateria seria o instrumento indutor número um.

Percebemos que de um modo geral a massa jovem num determinado momento da sua “adoração” rock, entra como que em êxtase ou transe, e os resultados você já sabe: bebidas alcoólicas, drogas, sexo livre com o ‘tempero’ da rebeldia. O rock e as suas músicas são uma estratégia muito eficaz de Satanás para dominar e destruir a juventude. Os nossos cultos não podem perder a solenidade.

“Numa reunião religiosa, o ato de cantar é tanto uma adoração a Deus como o ato de pregar, e qualquer excentricidade ou traço de caráter esquisito chama a atenção das pessoas e destrói a séria e solene impressão que deve ser o resultado da música sacra. Qualquer coisa estranha e excêntrica no canto diminui a seriedade e o caráter sagrado do culto.” Mensagens Escolhidas, vol. 3, pág. 333

02) Os Tambores Estão Intimamente Associados Com os Rituais de Candomblé e Umbanda

Eu não tive o privilégio de nascer em um lar adventista, embora me considere adventista de berço, porque quando minha mãe aceitou a Jesus eu tinha quatro ou cinco anos de idade, e minha mãe era uma assídua freqüentadora de terreiros de macumba e candomblé, e às vezes me levava nessas reuniões “espirituais” , sempre acompanhadas de muito misticismo e muitas danças.

Eu te pergunto: Sabe que instrumentos eram usados para chamar as entidades do mundo obscuro? Se a sua resposta for tambores, então você acertou em cheio. Por que os terreiros usam os tambores para atrair Satanás e seus anjos caídos? Será que poderia ser qualquer instrumento, ou tem que ser os tambores?

“Ele, [tambor] é por sua vez, um instrumento de correspondência, isto é, de comunicação entre o homem e os seres misteriosos que governam a natureza.” Cristãos em busca de êxtase. Pág. 25.

O tambor é capaz de estabelecer contatos com os espíritos dos deuses, com as almas dos ancestrais, com os mortos e com os animais míticos. Portanto, qual é o objetivo dos tambores no submundo ‘espiritual’? É para entrarem em êxtase, em transe, há muitas danças e ritos nos centros de umbanda e candomblé, até que a pessoa cai no chão completamente fora de si, e conseqüentemente dentro das mãos de Satanás.

03) Os Tambores e a Dança na Literatura Bíblica

Depois de fazer um breve estudo sobre os ‘tambores e pandeiros’ na Bíblia, descobri que a palavra ‘tambor, tamboril’ ocorre quatorze vezes em toda a Bíblia, um detalhe curioso é que todas as ocorrências só ocorrem no Velho Testamento, onde a adoração estava sendo moldada por Deus.

Também descobri que normalmente os tambores, pandeiros e danças andam juntos, correlacionados em especial com as mulheres. Não tenho a pretensão de esgotar o tema, até por que daria uma tese muito interessante. Todavia vou enumerar algumas ocasiões em que o tambor e a dança estão conectados ou associados; evidentemente que o fato de estarem registrados na Bíblia não significa necessariamente que o ato ou atitude foi aprovada por Deus.

Possivelmente Labão o sogro de Jacó tenha sido a primeira pessoa na Bíblia a usar tambores (Gênesis 31:27).Pergunto: Quem era Labão? E quais eram os seus costumes e tradições espirituais? Creio que você já tem a resposta.

Creio que Miriã, a irmã de Moisés, e um grupo de mulheres foram as primeiras mulheres na Bíblia a usarem os tamborins e a dançar (Êxodo15:20).Outro exemplo do uso combinado de tambor e dança é o da filha de Jefté (Juízes 11:34). Outro exemplo bastante conhecido é o caso daquele grupo de mulheres que estavam cantando após a festejada vitória de Davi sobre os filisteus (I Samuel 18:6).

Depois de estudar esses textos sou levado a crer, que após grandes vitórias nas batalhas entre o povo de Israel e os seus adversários, algumas mulheres saíam para celebrar a mesma. Fica muito claro que a percussão induz à dança, quer queiramos ou não. O que seria outro problema para nós como igreja.

A mudança na orquestra de Davi

Davi era um hábil músico (I Samuel 16:18).Entretanto, o exemplo mais claro dessa mudança radical nos instrumentos da ‘orquestra’ do rei Davi, foi quando ele queria levar a arca da aliança de Quiriate-Jearim para Jerusalém.

Na primeira tentativa de levar a arca da aliança havia vários ‘tambores e pandeiros’ (II Samuel 6:1-11) ;e a mesma foi veementemente reprovada por Deus de forma tão contundente que Uzá foi fulminado por Deus por ‘irreverência’ (I Samuel 6:7). A palavra no hebraico para ‘irreverência’ éshal, que quer dizer: Erro, falta. No entanto, olhemos o que nos diz Ellen G. White, de forma esclarecedora sobre as atitudes espirituais de Uzá.

Sobre Uzá, assim nos diz a inspiração

:“... Uzá ficou irado com os bois... Desconfiou de Deus...” História da Redenção. Pág. 192.

Às vezes nós podemos achar que Deus foi cruel com Uzá, leiamos algo mais:

“Em Uzá recaia maior culpa de arrogância... Tendo sobre si pecados não confessados...” Patriarcas e Profetas. Pág. 706.

Na segunda tentativa conforme descrito em (I Crônicas 15:25-29) o rei Davi mudou drasticamente os instrumentos de sua ‘orquestra’; ele excluiu os ‘tambores e os pandeiros’ (I Crônicas 15:28),além de uma profunda mudança espiritual em sua vida e na vida dos seus liderados, e isso inclui mudança na indumentária dos músicos. Depois esses instrumentos são chamados de “instrumentos de música de Deus” (I Crônicas 16:42).O que é fator determinante para a liturgia da Casa de Deus pelo menos, pelos próximos trezentos anos (II Crônicas 29:25).

Um amigo me dizia que a exclusão desses instrumentos de percussão (tambores e pandeiros) pode ser mera coincidência; eu me pergunto: Será? Veja a descrição detalhada que faz o livro Patriarcas e Profetas na página 707:

“... E a música de harpas e cornetas, trombetas e címbalos ressoava em direção ao céu, misturada com a melodia de muitas vozes.”

Perceba que não é um erro de esquecimento, ou de falta de atenção por parte de quem escreveu os livros de Samuel e Crônicas, até porque, o tema da adoração neste momento, depois da morte trágica de Uzá, era de suprema importância para a liturgia posterior do glorioso templo de Salomão. Não brinquemos com aquilo que é de mais sagrado.

04) O Movimento da Carne Santa e os Tambores

Em setembro de 1900 no estado de Indiana nos Estados Unidos havia um movimento chamado ‘carne santa’, onde as pessoas criam que depois de cantarem, dançarem e orarem receberiam um corpo santo e assim estariam prontas para a trasladação – o céu. Esse movimento foi veementemente condenado por Ellen G. White; e olha o que voltará a acontecer nos últimos dias, ou seja, em nossos dias:

“As coisas que descrevestes como ocorrendo em Indiana, o Senhor revelou-me que haviam de ocorrer imediatamente antes da terminação da graça. [Nosso tempo]. Demonstrar-se-á tudo quanto é estranho. Haverá gritos com tambores, música e dança. Os sentidos dos seres racionais ficarão tão confundidos que não se pode confiar neles quanto a decisões retas. E isto será chamado operação do Espírito Santo. O Espírito Santo nunca Se revela por tais métodos, em tal balbúrdia de ruído. Isso é uma invenção de Satanás para encobrir seus engenhosos métodos para anular o efeito da pura, sincera, elevadora, enobrecedora e santificante verdade para este tempo.” Mensagens Escolhidas. Vol.II, pág.36.

A parte mais preocupante dessa citação acima, é ‘haviam de ocorrer... e haverá gritos com tambores, música e dança’. Eu já disse e volto a repetir, a percussão nos induz à dança, e a dança nos transporta para o mundo dos prazeres da carne. Que Deus nos guarde de tudo isso.

05) O Altíssimo Índice de Rejeição do Uso da Bateria/Tambores Pela Igreja

Na realidade a grande estratégia de Satanás não é apenas colocar o instrumento físico dentro das nossas igrejas ou não. O grande engano do diabo é causar confusão na nossa adoração e como resultado perdermos a Jesus e a Sua poderosa mensagem de vista. Satanás quer que nós tenhamos uma adoração completamente vazia do ‘Assim diz o Senhor’ e cheia de emocionalismo. E quando isso acontece? Quando contrariamos que está escrito em I Coríntios 14:15 última parte que diz:“... Cantarei com o espírito, mas também cantarei com a mente.”

O equilíbrio é a palavra de ordem celestial e ponto final. Se a bateria está dividindo a igreja, eu pergunto: Por que vamos usá-la? É possível fazer música de qualidade sem bateria? Se a sua resposta é sim, eu insisto: Por que vamos usá-la? Se a bateria e os seus tambores estão associados com o rock, a macumba, com a dança, com os gritos e confunde os nossos sentidos; eu pergunto de novo: Por que vamos usá-la?

Deus tem muitos princípios para que a nossa igreja caminhe firme e unida para dentro da próxima década, dois deles são:

1º -“Se possível, quanto depender de vós tende paz com todos os homens;” (Romanos 12:18).O principio aqui é do unidade na igreja, é o da concordância entre irmãos de fé. Se ‘depende’ de você músico ou cantor, porque trazer o contrário de paz para dentro da nossa igreja, se não dependesse de você era outra história, se tivesse fora da sua competência, era outro capítulo.

2º -“Porque nenhum de nós vive para si mesmo, nem morre para si.” (Romanos 14:7). Nós pertencemos a uma comunidade cristã, nós somos parte do corpo de Cristo. A nossa adoração na igreja é coletiva, todo o ‘corpo’ de Cristo deve ser levado em consideração; tendo como “propósito de não pordes tropeço ou escândalo ao vosso irmão” , (Romanos 14:13 ú.p).

--------------------------------------------------------------------------------

O Pr.Otimar Gonçalves é líder do Ministério Jovem da Divisão Sul-Americana da IASD

MSA

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Microfotografias do corpo humano


Células vermelhas do sangue


Ponta de um fio de cabelo danificado


Neurônios


Células dos pêlos de uma orelha


Vasos sanguíneos emergindo do nervo ótico


Papila gustativa


Coágulo sanguíneo (a parte mais clara é um leucócito)


Alvéolos pulmonares


Mucosa do intestino delgado


Óvulo humano sobre a cabeça de um alfinete


Espermatozoides tentando fecundar o óvulo


Óvulo fertilizado, com alguns espermatozoides remanescentes


Embrião humano de seis dias alojado na parede do útero

Nota: Entre as coisas que me impressionam quando contemplo a complexidade da vida, tanto em nível micro quanto em nível macro, é o fato de que todos os tipos de células, tecidos e órgãos provieram de uma única célula que trazia em si toda a informação genética necessária para fazer de nós o que somos. A condução desse processo de diferenciação e especialização deve ser perfeita (e deve ter sido sempre perfeita) desde o início, senão as aberrações deveriam ser a regra. “Graças Te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso me formaste; as Tuas obras são admiráveis, e a minha alma o sabe muito bem!” (Salmo 139:14).

Leia também: “Estilo de vida conta mais que herança genética”

Criacionismo.com.br