domingo, 21 de julho de 2013

Vivissecção e Testes "Científicos" em Animais


George Guimarães é nutricionista especializado em dietas vegetarianas. Vegetariano desde os 4 anos de idade e vegano há 18 anos, dirige a NUTRIVEG Consultoria em Nutrição Vegetariana, dedicando-se ao aconselhamento de pacientes vegetarianos em seu consultório enquanto colabora com instituições de ensino e pesquisa. Ministra cursos e palestras sobre nutrição vegetariana em universidades e para o público em geral no Brasil e no exterior. É docente da primeira disciplina de nutrição vegetariana em um cruso de pós-graduação no Brasil (UNASP) e tem trabalhos publicados em revistas científicas de alcance internacional. Com participação assídua em congressos científicos (Congresso Internacional em Nutrição Vegetariana da Universidade de Loma Linda - Califórnia, EUA) e conferências no exterior e tendo publicado uma centena de artigos, é tido pelo público vegetariano e pela imprensa nacional como a principal fonte sobre o tema da nutrição vegetariana, tendo concedido nos últimos 16 anos mais de 550 entrevistas à imprensa.

sábado, 20 de julho de 2013

Os Introvertidos

Em uma sociedade onde as pessoas articuladas e bem falantes são mais valorizadas, poucos reconhecem a importância dos introvertidos. Mas o poder deste grupo para promover mudanças é muito maior do que se imagina. É o que defende a escritora americana Susan Cain, autora de uma badalada obra sobre o assunto.

“Quiet: the power of the introverts” (na tradução literal, “Quieto: o poder dos introvertidos”) é um livro que fala de relações interpessoais. A autora critica algumas convenções sociais básicas, como o trabalho coletivo. Muitas escolas ou empresas estimulam o conceito de “trabalho em equipe”, que supostamente estimula a criatividade e a busca por soluções. Isso é um erro, de acordo com Susan, já que a maior parte das grandes realizações humanas foi alcançada por pessoas que agiram sozinhas. 

 A escritora explica que uma série de experimentos psicológicos, desde os anos 50, tem comprovado que o trabalho coletivo “mascara” aquilo que cada indivíduo realmente pensa, já que todos se preocupam em ter a opinião recebida pelo grupo. Logo, a criatividade de cada um é atrofiada, e não estimulada. A introversão, segundo ela, é frequentemente confundida com falta de iniciativa e criatividade, mas isso é um conceito falso. Susan não defende que os trabalhos em equipe sejam abolidos. É preciso ter em mente, contudo, que nem sempre aquele que fala mais em um grupo deve ser o líder. Pessoas introvertidas podem liderar muito bem em determinadas situações.

O cenário que envolve o introvertido é determinante para dizer quem ele é. Susan conta, por exemplo, que uma pessoa introvertida chega até a salivar mais do que um extrovertido ao beber algo que estimule sensações mais fortes, como um suco de limão, porque reage à intensidade de maneira diferente.

E estas reações ao meio externo, segundo a escritora, são a chave para entender os tímidos. Isso porque os lugares que frequentamos – instituições de ensino, de trabalho e centros religiosos, por exemplo – são designados a exaltar aqueles que se destacam, que são vistos. Aqueles que gostam de passar mais tempo consigo mesmos tendem a ser relegados a um segundo plano.

Segundo a pesquisa da escritora, entre um terço e metade das pessoas podem ser consideradas introvertidas. É natural que elas tentem negar essa condição – se forçando, por exemplo, a ir a festas em que não gostariam de estar, por preferir ficar em casa fazendo algo sozinhas -, pois desde sempre foram educadas para agir de forma extrovertida.

O que Susan recomenda, dessa maneira, é que a sociedade evite valorizar os extrovertidos em todas as situações, pois nem sempre eles são os mais adequados para realizar alguma coisa. É preciso ter sensibilidade para reconhecer que tipo de contribuição ao grupo cada introvertido pode dar. É claro que o primeiro passo para isso, segundo ela, é se livrar do preconceito contra este tipo de pessoa.

HypeScience

Obs: Para assistirem o vídeo com legenda, basta escolherem a opção "protuguese, brazilian" no campo "languages" do player.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Estilo de Vida, Fé o Coração e o Câncer

A fé e o estilo de vida têm tanto efeito na saúde cardiovascular que ganharam duas mesas redondas no 68º Congresso Brasileiro de Cardiologia, no Rio de Janeiro, em setembro. A aceitação da doença e a crença de ter que enfrentá-la como parte de um plano maior é observada pelos médicos como fator positivo em pacientes religiosos, praticantes ou não. “A gente não aprende isso na faculdade, mas eu vejo muito nas UTIs coronarianas pacientes graves que, com fé, enfrentam a doença com muita determinação”, conta o médico Roberto Esporcatte, da Sociedade de Cardiologia do Rio. Não há estudos científicos definitivos sobre o poder da prece, é difícil documentar o índice de mortes de pessoas mais ou menos religiosas, mas até agora, o que se sabe é que a crença em um poder superior tem ação benéfica na qualidade de vida dos pacientes.

“Em relação ao bem-estar, pacientes que têm uma espiritualidade em tratamento costumam apresentar pressão arterial melhor, melhores taxas, menos calcificação coronariana, mas isso é uma dedução”, explica o cardiologista. “Essa ponte entre a formação ortodoxa e a vida religiosa dos pacientes será tratada no congresso, porque por mais que se estudem novos medicamentos não se sabe por que alguns respondem a eles e outros não.”

No tratamento de tumores há uma comprovação de alteração cognitiva de 40% relacionada à quimioterapia, em mulheres que sobreviveram ao câncer de mama. Mas nas que praticam ioga essa alteração é menor, segundo a Mônica Klemz, do Centro Oncológico de Niterói. Pode ter a ver com o exercício, com os mantras, com a respiração, com a meditação durante as aulas ou com o conjunto desses fatores.

“É difícil definir e medir a fé das pessoas. Até agora nos estudos não há aumento de sobrevida em religiosos, a não ser nos adventistas do sétimo dia, mas neste caso é relacionado a uma vida mais regrada praticada por quem é dessa religião”, observa a oncologista.

Mônica alerta para resultados conflitantes em relação ao tema, já que a situação de doença quando vista como punição pode atrapalhar a recuperação do paciente. Mas ela conta que em reuniões com pacientes oncológicos a figura de um padre ou religioso costuma emocionar. “Em geral, quando há uma prece, a equipe médica e os pacientes se emocionam, acho que porque a gente lembra da fé na recuperação.”

terça-feira, 16 de julho de 2013

A Globo e o Espiritismo

Em “Amor à Vida”, Nicole (Marina Ruy Barbosa) vai morrer e se transformar num fantasma. Em cenas já entregues por Walcyr Carrasco, a doença de Nicole vai se agravar bastante. Ela desiste de raspar os cabelos na hora em que o cabeleireiro já está com a tesoura nas mãos e se casa com Thales (Ricardo Tozzi) com os fios longos porque não quer parecer feia. Os dois se casam e a doença dela piora. O médico do hospital San Magno tenta salvar a jovem. Mas ela não consegue reagir e morre. Porém, Nicole vai continuar na novela como um fantasma. Ela não vai dar paz para Thales e Leila. Os dois arquitetaram um plano para o rapaz se casar com ela e herdar toda sua fortuna. Durante o tratamento, antes de morrer, ela vai descobrir o plano de Leila e termina seu casamento com Thales, sem lhe deixar nada. Com a desistência de Marina Ruy Barbosa em raspar os cabelos, Walcyr Carrasco teve que mexer em 26 cenas.


Nota: Tem muita gente assistindo a sessões espíritas dentro da própria casa. O problema é que, se você teoricamente não concorda com essa ideologia (porque que crê na Bíblia, por exemplo), mas se expõe constantemente a ela, terminará por criar uma dissonância cognitiva que o fará duvidar até mesmo daquilo que antes cria. Conforme escreveu Ellen White, há mais de um século, “Satanás tem-se preparado para o esforço final de enganar o mundo. O fundamento de sua obra foi posto na declaração feita a Eva no Éden: ‘Certamente não morrereis’ (Gn 3:4). ‘No dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal’ (Gn 3:5). Pouco a pouco, ele tem preparado o caminho para sua obra-prima de engano: o desenvolvimento do espiritismo. Até agora (século 19) não logrou realizar completamente seus desígnios; mas estes serão atingidos no fim dos últimos tempos, e o mundo será arrastado para as fileiras desse engano.” - História da Redenção, p. 398

As Irmãs Brown

Em 1975, o fotógrafo americano Nicholas Nixon tirou uma foto de sua esposa Bebe ao lado de suas três irmãs. A partir disso, eles tiveram a ideia de tornar a fotografia uma tradição anual.

Desde então, as irmãs Brown – Heather, Mimi, Bebe e Laurie – tiraram uma foto por ano até 2010. Para tornar a série mais coerente, as quatro sempre posaram na mesma ordem.

Isso resultou em um registro incrível de 36 anos. A mais nova das irmãs, Mimi, tinha apenas 15 anos na primeira foto, e a mais velha, Bebe, estava com 61 anos na última. Quando Nixon começou a tirar os retratos, as irmãs Brown tinham entre 15 a 25 anos.

Mesmo que as imagens não sejam deslumbrantes do ponto de vista artístico, elas certamente tocam o coração. Ver como as estações, a moda e os cortes de cabelo mudaram ao longo da série, enquanto uma coisa permaneceu a mesma – o forte vínculo familiar -, traz uma sensação boa e nostálgica.

A série, intitulada “As Irmãs Brown” (The Brown Sisters) foi exibida na Galeria Nacional de Arte (Washington D.C., EUA) e no George Eastman House (Rochester, NY, EUA). Além disso, dois conjuntos foram vendidos em leilões de fotografia em Nova York (EUA).


1975

1976

1977

1978

1979

1980

1981

1982

1983

1984

1985

1986

1987
1988
1989

1990

1991

1992

1993

1994

1995

1996

1997

1998

1999

2000

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010


quarta-feira, 10 de julho de 2013

A Inexistente “Cura Gay” e os Ativistas Gays

O movimento LGBTT está tentando desestabilizar o movimento #VemPraRua mentindo que o projeto PDC234, que fala a cerca da usurpação de poder do CFP contra o psicólogo, é para “curar gays” e de autoria do Pastor Marco Feliciano, para gerar tumultuo e fazer caminhar sua agenda.

Eu sou uma psicóloga que sofre processo por causa dessa resolução do CFP porque ela, em tese, não proíbe o psicólogo de atender o sofrimento psíquico de qualquer pessoa e nem que ele se manifeste sobre a homossexualidade, porém, na prática, obriga o psicólogo a reforçar neste sujeito a ideia de que ele nasceu gay e que será assim para o resto de sua vida; além de nos proibir de falar das várias teorias sobre a homossexualidade e a verdade de que até hoje nenhuma teve consenso na questão de sua origem. Só podemos falar se for para reforçar a ideia que a heterossexualidade é compulsória e anormal, e que a homossexualidade é nascida.

Antes de continuar quero esclarecer alguns pontos importantes da minha luta pessoal.

Não quero travar uma guerra de egos entre profissionais e ativistas, minha luta é contra a desleal militância ideológica e política. Luto apenas pelo direito constitucional de ir e vir do sujeito, mas infelizmente tudo virou política e oportunismo… Não é por isso que luto. A psicologia não tem poder para CURAR nada, visto que ela não é uma ciência médica. Por isso, é equivocada a ideia de CURA GAY, e de psicólogo é quem CURA GAY. Isso foi inventado para nos desmoralizar.

Por outro lado, o direito de buscar uma mudança de sua orientação é válido, mas somente se for o desejo absoluto da pessoa insatisfeita, e sem pressão social. A ideia propagada de que curo gay e de que o projeto PDC234 é para curar gays é uma mentira, e foi criada por políticos e ativistas. Lamento que o jornalismo também esteja sucateado, antiético, e cheio de oportunistas que agem com total desonestidade intelectual manipulando fatos apenas para conseguirem vender seus veículos de mídia. Ou seja, estamos sendo usados nessa guerra por IBOPE.

O projeto PDC234 nunca falou em cura gay, mas os militantes oportunistas usaram este nome para promoção pessoal. Quem é gay, que continue sendo se isso te faz feliz; e quem não quer ser mais, que lute pelos seus direitos, ainda que para renunciar a seus desejos por algo que acredite ser superior, como é o caso de sua fé.

Eu, como profissional, não influencio, apenas ouço e acolho. Estou sendo acusada de “curar” mesmo nunca tendo uma única denuncia de tal tratamento de cura, mas sim pacientes homossexuais que já foram em audiência no Conselho Regional de Psicologia para afirmar que nunca induzi convicções religiosas e/ou de orientação sexual a nenhum deles. Essa situação já virou caso de polícia, a psicologia perdeu sua identidade, seu foco no ser humano, e está servindo apenas a grupos que, inventando fatos e divulgando informações de forma perigosa, contribuem com a reorientação mundial de uma sexualidade bissexual, apenas para satisfazer desejos de alguns. Temo pela nossa nação.

O que existe hoje é a psicologia militando na tentativa de considerar a heterossexualidade como normativa compulsória, e querem que nós, profissionais, passemos isso adiante. Como posso mentir sobre isso, sendo que a maioria da população mundial é heterossexual? Nem estatisticamente isso é possível. Mas a mídia militante manipulam as massas de forma desonesta para atender esse desejo mundial de reorientar a população.

Direitos é uma coisa, esquizofrenia social é outra.

Eu e a psicóloga Rosangela Justino fomos o pivô do projeto PDC234, do deputado João Campos, que em nenhum trecho cita a palavra doença ou a palavra cura. Na verdade, quem fala de cura é a psicologia. Quanto a mim, e aos deputados João Campos, Roberto de Lucena e Marco Feliciano, apenas falamos em direitos humanos do sujeito em questão: de desejar pessoas do mesmo sexo, e de não desejar mais pessoas do mesmo sexo.

Tais afirmações são parte de uma manipulação mentirosa e nojenta do Conselho de Psicologia e do movimento LGBTT. A psicologia defendida por eles, sim, fere suas diretrizes, pois nega a existência de ex-gays, mas promove a existência de ex-héteros. Como explicar essa loucura?

Quanto ao homossexual, todos nós devemos promover a igualdade e a tolerância, mas negar o direito de quem não se aceita e quer mudar sua condição é mais uma violência. E é por não ser doença, mas uma expressão da sexualidade, que ele pode escolher mudar se não estiver satisfeito. Não foi isso que ocorreu com a cantora Daniela Mercury, antes hétero e agora gay? Por que o inverso gera tanta guerra?

Sinto muito pela hipocrisia, pois os mesmo que lutam por direitos negam o direito de seu semelhante de não desejar mais pessoas do mesmo sexo, como se isso fosse doença… Paradoxal, não?

Mas, o mais grave disso tudo são as verbas grandiosas que são facilmente conseguidas pelas causas LGBTT, como os R$302 milhões liberados entre 2011 e 2012 pelo PT na comissão de direitos humanos, os R$11 milhões liberados pelo deputado Chico Alencar do Rio, os R$6,5 milhões que o prefeito de São Paulo liberou para a marcha gay, e tantos outros milhões liberados todo ano para tais marchas. Enquanto isso, campanhas de combate à violência contra a criança e o idoso ficam de fora, por exemplo.

E quem é que tem coragem de tocar neste assunto? Ninguém, porque é proibido. Nossos hospitais, e nossa saúde em geral, estão um caos, nossa educação sucateada. E o movimento LGBTT sendo tratado como prioridade? Se pelo menos olhassem as outras questões sociais…

Para se esquivar dessas verdades, preferem desviar a atenção dos protestos para a Comissão de Direitos Humanos, enquanto os verdadeiros problemas da nação passam despercebidos.

Marisa Lobo - Psicóloga clínica, escritora, pós-graduada em saúde mental, é conferencista realiza  e palestras pelo Brasil sobre prevenção e enfrentamento ás drogas, e toda forma de bullying, transtornos psicológicos, sexualidade da família, entre outros assuntos.

Gnotícias

terça-feira, 9 de julho de 2013

Cura Gay, ou Falácia Midiática?

Se você pensa que alguma coisa está certa só porque todos acham isso, não está pensando.” disse nossa querida amiga Vivienne Westwood!! Quanto ao projeto "CONHECIDO" como "Cura Gay", é de fato verdade o que tantos dizem? Há sabedoria em olhar os dois lados da moeda, afinal de contas, "uma vida sem ponderação. não é digna de ser vivida" já dizia nosso amigo Sócrates. E disse também Salomão, "O primeiro a apresentar a sua causa parece ter razão, até que outro venha à frente e o questione". Questione-se!! Questione-se!!

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Passeio Socrático e a Verdadeira Felicidade

Ao viajar pelo Oriente, mantive contatos com monges do Tibete, da Mongólia, do Japão e da China. Eram homens serenos, comedidos, recolhidos em paz nos seus mantos cor de açafrão. Outro dia, eu observava o movimento do aeroporto de São Paulo: a sala de espera cheia de executivos dependurados em telefones celulares; mostravam-se preocupados, ansiosos e, na lanchonete, comiam mais do que deviam. Com certeza, já haviam tomado café da manhã em casa, mas como a companhia aérea oferecia um outro café, muitos demonstravam um apetite voraz. Aquilo me fez refletir: Qual dos dois modelos produz felicidade? O dos monges ou o dos executivos?

Encontrei Daniela, 10 anos, no elevador, às nove da manhã, e perguntei: “Não foi à aula?” Ela respondeu: “Não; minha aula é à tarde.” Comemorei: “Que bom, então de manhã você pode brincar, dormir um pouco mais.” “Não”, ela retrucou, “tenho tanta coisa de manhã...” “Que tanta coisa?”, indaguei. “Aulas de inglês, balé, pintura, piscina”, e começou a elencar seu programa de garota robotizada. Fiquei pensando: “Que pena, a Daniela não disse: ‘Tenho aula de meditação!’”

A sociedade na qual vivemos constrói super-homens e supermulheres, totalmente equipados, mas muitos são emocionalmente infantilizados. Por isso as empresas consideram que, agora, mais importante que o QI (Quociente Intelectual), é a IE (Inteligência Emocional). Não adianta ser um superexecutivo se não se consegue se relacionar com as pessoas. Ora, como seria importante os currículos escolares incluírem aulas de meditação!

Uma próspera cidade do interior de São Paulo tinha, em 1960, seis livrarias e uma academia de ginástica; hoje, tem 60 academias de ginástica e três livrarias! Não tenho nada contra malhar o corpo, mas me preocupo com a desproporção em relação à malhação do espírito. Acho ótimo, vamos todos morrer esbeltos: “Como estava o defunto?” “Olha, uma maravilha, não tinha uma celulite!” Mas como fica a questão da subjetividade? Da espiritualidade? Da ociosidade amorosa?

Outrora, falava-se em realidade: análise da realidade, inserir-se na realidade, conhecer a realidade. Hoje, a palavra é virtualidade. Tudo é virtual. Pode-se fazer sexo virtual pela internet: não se pega aids, não há envolvimento emocional, controla-se no mouse. Trancado em seu quarto, em Brasília, um homem pode ter uma amiga íntima em Tóquio, sem nenhuma preocupação de conhecer o seu vizi­nho de prédio ou de quadra! Tudo é virtual, entramos na virtualidade de todos os valores, não há compromisso com o real! É muito grave esse processo de abstração da linguagem, de sentimentos: somos místicos virtuais, religiosos virtuais, cidadãos virtuais. Enquanto isso, a realidade vai por outro lado, pois somos também eticamente virtuais…

A cultura começa onde a natureza termina. Cultura é o refinamento do espírito. Televisão, no Brasil - com raras e honrosas exceções -, é um problema: a cada semana que passa, temos a sensação de que ficamos um pouco menos cultos. A palavra hoje é “entretenimento”; domingo, então, é o dia nacional da imbecilidade coletiva. Imbecil o apresentador, imbecil quem vai lá e se apresenta no palco, imbecil quem perde a tarde diante da tela. Como a publicidade não consegue vender felicidade, passa a ilusão de que felicidade é o resultado da soma de prazeres: “Se tomar este refrigerante, vestir este tênis,­ usar esta camisa, comprar este carro, você chega lá!” O problema é que, em geral, não se chega! Quem cede desenvolve de tal maneira o desejo, que acaba­ precisando de um analista. Ou de remédios. Quem resiste, aumenta a neurose.

Os psicanalistas tentam descobrir o que fazer com o desejo dos seus pacientes. Colocá-los onde? Eu, que não sou da área, posso me dar o direito de apresentar uma sugestão. Acho que só há uma saída: virar o desejo para dentro. Porque, para fora, ele não tem aonde ir! O grande desafio é virar o desejo para dentro, gostar de si mesmo, começar a ver o quanto é bom ser livre de todo esse condicionamento globocolonizador, neoliberal, consumista. Assim, pode-se viver melhor. Aliás, para uma boa saúde mental três requisitos são indispensáveis: amizades, autoestima, ausência de estresse.

Há uma lógica religiosa no consumismo pós-moderno. Se alguém vai à Europa e visita uma pequena cidade onde há uma catedral, deve procurar saber a história daquela cidade - a catedral é o sinal de que ela tem história. Na Idade Média, as cidades adquiriam status construindo uma catedral; hoje, no Brasil, constrói-se um shopping center. É curioso: a maioria dos shopping centers tem linhas arquitetônicas de catedrais estilizadas; neles não se pode ir de qualquer maneira, é preciso vestir roupa de missa de domingo. E ali dentro sente-se uma sensação paradisíaca: não há mendigos, crianças de rua, sujeira pelas calçadas...

Entra-se naqueles claustros ao som do gregoriano pós-moderno, aquela musiquinha de esperar dentista. Observam-se os vários nichos, todas aquelas capelas com os veneráveis objetos de consumo, acolitados por belas sacerdotisas. Quem pode comprar à vista, sente-se no reino dos céus. Se deve passar cheque pré-datado, pagar a crédito, entrar no cheque especial, sente-se no purgatório. Mas se não pode comprar, certamente vai se sentir no inferno... Felizmente, terminam todos na eucaristia pós-moderna, irmanados na mesma mesa, com o mesmo suco e o mesmo hambúrguer de uma cadeia transnacional de sanduíches saturados de gordura…

Costumo advertir os balconistas que me cercam à porta das lojas: “Estou apenas fazendo um passeio socrático.” Diante de seus olhares espantados, explico: “Sócrates, filósofo grego, que morreu no ano 399 antes de Cristo, também gostava de descansar a cabeça percorrendo o centro comercial de Atenas. Quando vendedores como vocês o assediavam, ele respondia: “Estou apenas observando quanta coisa existe de que não preciso para ser feliz.”

Frei Betto, Amaivos

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Duas refeições: mais uma pesquisa confirma a Revelação

Quem tem problemas com a balança com certeza já ouviu falar que é preciso comer de três em três horas para manter o metabolismo acelerado, e, assim, contribuir para o emagrecimento. No entanto, segundo um estudo apresentado no último domingo (23) na reunião anual da ADA (Associação Americana de Diabetes), em Chicago (EUA), comer duas refeições maiores durante o dia é mais eficaz na perda de peso do que fracionar as refeições. A pesquisa, realizada em Praga, na República Checa, foi feita com 54 pacientes com diabetes tipo 2. Eles foram divididos em dois grupos: em um, as pessoas comiam apenas duas refeições diárias maiores, enquanto no outro, os participantes faziam seis refeições com porções menores.

Durante 12 semanas, os pacientes seguiram uma dieta com a mesma quantidade calórica e de macronutrientes para depois trocar o regime de alimentação, ou seja, quem comeu apenas duas refeições passou a comer seis vezes ao dia. “A dieta prescrita foi rica em fibras e com 500 calorias a menos, já visando ao emagrecimento”, explica Hana Kahleova, uma das cientistas que participou do estudo.

Além de um aumento na perda de peso durante a fase em que só comiam duas vezes ao dia, os pacientes também apresentaram aumento na sensibilidade à insulina e melhora na função das células beta do pâncreas, responsáveis pela produção de insulina.

Para seguir a dieta corretamente, os participantes receberam tutoriais para aprender a compor o cardápio e em quais horários se alimentar, além de reuniões em grupo e individuais com nutricionistas.

“O resultado do estudo mostra que os pacientes com diabetes tipo 2 devem seguir a máxima de tomar o café da manhã como um rei, almoçar como um príncipe e jantar como um mendigo”, finaliza Kahleova.

De acordo com o endocrinologista da Sociedade Brasileira de Diabetes Antonio Carlos Lerário, é preciso levar em consideração que o estudo foi realizado com poucos pacientes e com uma dieta hipocalórica, que não costuma ser usual para os pacientes diabéticos. “Normalmente a dieta recomendada varia entre 1.000 e 1.500 calorias. Um cardápio com poucas calorias é mais eficiente para diabéticos ou não, porém mais difícil de ser seguido e requer disciplina e força de vontade do paciente, além de acompanhamento médico”, explica.

Lerário também acredita que é necessário repetir o estudo em outros países para verificar se os resultados encontrados são semelhantes. “Às vezes, quando o estudo é repetido com outra população, os resultados encontrados são diferentes”, justifica.

Ainda que o estudo contrarie a recomendação da maioria dos nutricionistas, Lerário pondera que o resultado da pesquisa deve ser respeitado: “Os pesquisadores usaram parâmetros objetivos, como peso e os níveis de insulina, não foi nada subjetivo. Além disso, o ADA é rigoroso na seleção dos estudos que são apresentados no congresso”, afirma.


Nota: De quando em quando, a ciência confirma detalhes importantes revelados há muito tempo pelo Criador do corpo humano, deixando claro que não vale a pena seguir modismos nutricionais, médicos e comportamentais em detrimento daquilo que Deus mostrou por antecipação. Note o que escreveu Ellen White há mais de um século (detalhe: ela nunca estudou nutrição): “Em muitos casos, a fraqueza que leva a desejar alimento é sentida porque os órgãos digestivos foram muito sobrecarregados durante o dia. Depois de digerir uma refeição, os órgãos que se empenharam nesse trabalho precisam de repouso. Pelo menos cinco ou seis horas devem entremear as refeições; e a maior parte das pessoas que experimentarem esse plano verificará que duas refeições por dia são preferíveis a três” (A Ciência do Bom Viver, p. 304; grifo meu).

Quando me perguntam o que acho desse ou daquele procedimento (nutricional ou médico), como a acupuntura ou a homeopatia, por exemplo, respondo que prefiro ficar com as claras orientações que o Criador nos deixou por meio da Revelação. Ele nos ensinou oito remédios naturais, cuja sábia utilização confere saúde, e são eles: água, ar puro, luz solar, exercício físico, repouso, alimentação natural (de preferência vegetariana), abstinência do que é nocivo e confiança em Deus. Isso sempre funciona e se trata de fatores cujo funcionamento respeita as leis da fisiologia, portanto, são científicos, diferentemente de certas “terapias” que até podem funcionar, mas que geralmente são envolvidas numa aura de mistério.

Na matéria acima, a cientista Hana Kahleova diz que “o resultado do estudo mostra que os pacientes com diabetes tipo 2 devem seguir a máxima de tomar o café da manhã como um rei, almoçar como um príncipe e jantar como um mendigo”. Na verdade, é exatamente isso o que Ellen White ensina em seus livros, com a diferença de que ela diz que todas as pessoas (não apenas as diabéticas) deveriam adotar essa prática.

White ensina que o jantar deve ser leve e feito horas antes de dormir: “Na maioria dos casos duas refeições ao dia são preferíveis a três. O jantar, quando muito cedo, interfere com a digestão da refeição anterior. Sendo mais tarde, não é digerido antes da hora de deitar. Assim o estômago deixa de conseguir o devido repouso. O sono é perturbado, cansam-se o cérebro e os nervos, é prejudicado o apetite para a refeição matutina, o organismo todo não se restaura nem estará preparado para os deveres do dia” (Educação, p. 205).

De minha parte, prefiro continuar seguindo as recomendações do Criador do meu corpo. Elas são mais científicas - e são sempre seguras.[MB]